Preço: 10.00€
Especificações Técnicas

Imagem: 16x9 FF Cor
Som: Dolby Digital 5.1 / Stereo 2.0
Legendas: Português

Pesquisar
Stefan Zweig - Adeus, Europa
em dvd
um filme de Maria Schrader
Estreia: 23-02-2017
voltar
Com

Josef HaderBarbara Sukowa e Aenne Schwarz

Info
Título Original: Stefan Zweig - Farewell to Europe
Género: Drama
País: Alemanha, França, Áustria
Duração: 106'
Links

Os anos do exílio na vida de Stefan Zweig, um dos escritores de língua alemã mais lidos do seu tempo, entre Buenos Aires, Nova Iorque e Brasil. Enquanto intelectual judeu, Zweig tenta encontrar a atitude correcta face aos acontecimentos na Alemanha nazi, ao mesmo tempo que vai em busca de um lar no novo mundo.

Libération
Festivais e Prémios

Festival de Locarno - Fora de Competição

Notas da Crítica

É um dos grandes filmes do ano: uma biografia de Stefan Zweig que é também uma radiografia do fim de um mundo. - Público

Um delicado olhar cinematográfico sobre um homem atormentado pelo lar espiritual que deixou para trás (...) Josef Hader, comediante famosíssimo na Áustria, dá-nos aqui o rosto do mais sensível e melancólico dos homens. - Diário de Notícias

Um filme de época, minuciosamente filmado e historicamente relevante - Jornal de Letras

Schrader foca-se nas interacções do escritor com os outros - umas meramente cerimoniosas, outras mais íntimas, todas reveladoras - de forma a sugerir algo acerca do seu carácter e da sua noção cada vez mais decadente de sentimento de pertença onde o seu corpo, exilado, pode estar a salvo, embora a sua mente continue a querer regressar a um lugar que ele sabe que está a ser eliminado do mapa. - Hollywood Reporter

Com o apoio decisivo de um actor espantoso, Josef Hader, o filme descreve um sentimento subtil: o desapego. Uma nota melancólica que reaparece em todas as sequências, com uma coerência estilística que é, por vezes, monótona. Mas esta insistência permite mostrar como este desapego se vai revestindo, gradualmente, de uma força nefasta, trágica. - Télérama

STEFAN ZWEIG - ADEUS, EUROPA adopta um olhar quase documental: porque é que um homem com tanto talento decidiu partir? Sai-se de lá com a convicção que é necessário reler Zweig, mais do que nunca. - Le Nouvel Observateur